Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



ARMADILHAS ILLUMINATI

Quinta-feira, 19.05.11



LIÇÕES PARA RELEMBRAR:

ACEITAMOS AOS POUCOS  O QUE NUNCA TOLERARÍAMOS DE SÓ UMA VEZ. POR QUE?

Uma rã nadava tranquilamente dentro de uma panela com água fria. E assim continuou, mesmo depois de aceso um fogo brando debaixo da panela, que começou a aquecer a água lentamente. A água morna tornava o ambiente ainda mais agradável e convidativo para nadar.
A pouco e pouco a água foi ficando mais quente. Um pouco mais do que a rã gosta, mas ela não se transtorna com o facto, porque o calor tende a cansá-la e a entorpecê-la. Quando a água fica mais quente a rã começa a achá-la desagradável mas, como já está algo debilitada, vai aguentando e esforçando-se por se adaptar às novas condições.
A temperatura da água continua a subir progressivamente, sem mudança brusca, até ao momento em que a rã acaba por ficar cozida e morrer, sem nunca ter tentado saltar para fora da panela.

Se, ao invés deste processo, a rã tivesse sido metida repentinamente numa panela com a água já bastante quente, ela teria dado um golpe de pernas e pulado imediatamente para fora dela.

ACOSTUMAR É IGNORAR

“O senhor sabe como se capturam porcos selvagens?”O professor achou que se tratava de uma piada e esperava uma resposta engraçada. O jovem disse que não era piada. “Você captura porcos selvagens encontrando um lugar adequado na floresta e colocando algum milho no chão. Os porcos vêm todos os dias comer o milho gratuito. Quando eles se acostumam a vir todos os dias, você coloca uma cerca mas só em um lado do lugar em que eles se acostumaram a vir. Quando eles se acostumam com a cerca, ele voltam a comer o milho e você coloca um outro lado da cerca. Mais uma vez eles se acostumam e voltam a comer. Você continua desse jeito até colocar os quatro lados da cerca em volta deles com uma porta no último lado. Os porcos que já se acostumaram ao milho fácil e às cercas começam a vir sozinhos pela entrada. Você então fecha a porteira e captura o grupo todo.” “Assim, rapidamente, os porcos perdem sua liberdade. Eles ficam correndo e dando voltas dentro da cerca, mas já foram pegos. Logo, voltam a comer o milho fácil e gratuito. Eles ficaram tão acostumados a ele que esqueceram como caçar na floresta por si próprios, e por isso aceitam a servidão.” O jovem então disse ao professor que era exatamente isso que ele via acontecer neste país. O governo ficava empurrando-os para onde ele queria e espalhando o milho gratuito na forma de programas de auxílio de renda, bolsas isso e aquilo, impostos variados, estatutos de “proteção”, cotas para estes e aqueles, subsídio para todo tipo de coisa, pagamentos para não plantar, programas de “bem-estar social”, medicina e medicamentos “gratuitos”, sempre e sempre novas leis, etc, tudo ao custo da perda contínua das liberdades, migalha a migalha.

conclusão: USE SUA SENSIBILIDADE E PERCEPÇÃO

______________________

DEMONSTRAÇÃO "LÓGICA" DE IMPOSSIBILIDADE

Paradoxo de Zenão: Suponha que você queira percorrer uma certa distância. Antes de percorrer esta distância completa, é necessário percorrer a metade dela. Além disso, para percorrer a metade da distância total, é preciso percorrer a metade desta metade. Prosseguindo com o argumento ad infinitum, chega-se à conclusão de que jamais a distância total poderá ser percorrida. Seria impossível sair do lugar.

conclusão: OUÇA SUA INTUIÇÃO.

_______________________

TOMAMOS A PARTE PELO TODO E FECHAMOS QUESTÃO

Quatro Cegos e a Avaliação de um Elefante. Como cada um o vê?

Por Benito Pepe
Certo dia, um príncipe indiano mandou chamar um grupo de cegos de nascença e os reuniu no pátio do palácio. Ao mesmo tempo, mandou trazer um elefante e o colocou diante do grupo. Em seguida, conduzindo-os pela mão, foi levando os cegos até o elefante para que o apalpassem. Um apalpava a barriga, outro a cauda, outro a orelha, outro a tromba, outro uma das pernas. Quando todos os cegos tinham apalpado o animal, o príncipe ordenou que cada um explicasse aos outros como era o elefante, então, o que tinha apalpado a barriga, disse que o elefante era como uma enorme panela.

O que tinha apalpado a cauda até os pelos da extremidade discordou e disse que o elefante se parecia mais com uma vassoura. “Nada disso”, interrompeu o que tinha apalpado a orelha. “Se alguma coisa se parece é com um grande leque aberto”. O que apalpara a tromba deu uma risada e interferiu: “Vocês estão por fora. O elefante tem a forma, as ondulações e a flexibilidade de uma mangueira de água…”. “Essa não”, replicou o que apalpara a perna, “ele é redondo como uma grande mangueira, mas não tem nada de ondulações nem de flexibilidade, é rígido como um poste…”. Os cegos se envolveram numa discussão sem fim, cada um querendo provar que os outros estavam errados, e que o certo era o que ele dizia. Evidentemente cada um se apoiava na sua própria experiência e não conseguia entender como os demais podiam afirmar o que afirmavam. O príncipe deixou-os falar para ver se chegavam a um acordo, mas quando percebeu que eram incapazes de aceitar que os outros podiam ter tido outras experiências, ordenou que se calassem. “O elefante é tudo isso que vocês falaram.”, Explicou. “Tudo isso que cada um de vocês percebeu é só uma parte do elefante. Não devem negar o que os outros perceberam. Deveriam juntar as experiências de todos e tentar imaginar como a parte que cada um apalpou se une com as outras para formar esse todo que é o elefante.”

Conclusão: uma visão parcial pode se somar a outras diferentes para dar uma noção do TODO (que pode estar além dessa soma) se estiver aberta.

____________________________


O PRODUTO FINAL É O QUE CONTA

Num mesmo dia, duas mulheres morreram, uma freira e uma taxista, e por coincidência, as duas chamavam-se Flávia. Chegando no céu, a taxista entrou pelo portão celestial e encontrou São Pedro. São Pedro lhe deu um manto com linho de ouro, lindo, maravilhoso. Chegou a freira e encontrou São Pedro que lhe deu um manto de linho comum. Ela achou estranho e resolveu reclamar:
-Meu querido São Pedro, eu que sou uma freira digna, que rezo um terço por dia, recebo este manto de linho comum e ela, que é uma taxista barbeira, meia roda recebe este lindo manto de linho nobre? Algo está errado!
São Pedro ouvindo a reclamação da freira resolveu responder:
-Minha filha, você, quando rezava, fazia todo mundo dormir, mas quando andavam com esta taxista barbeira, todo mundo vivia rezando..

conclusão: ATENTE PARA OS EFEITOS PARA CHEGAR À AGENDA

Fontes:
http://macao2013.blogspot.com/2011/03/ra-dentro-da-panela-com-agua.html
http://www.ihuonline.unisinos.br/index.php?option=com_content&view=article&id=563&secao=203
http://carlosfprocha.com/blogs/adm/archive/2007/11/05/ca-231-ando-porcos-selvagens.aspx
http://www.piadalegal.com.br/piadas/freiras/a-freira-e-a-taxista/PID16805/
http://www.planetanews.com/news/2011/11496



Nas postagens:

ARMAS SILENCIOSAS PARA GUERRAS TRANQUILAS (COMO CONDUZIR O GADO AO MATADOURO SEM PROBLEMAS)


DAVID ICKE - CONECTANDO OS PONTOS, RECUPERANDO A VISÃO DO TODO, INTEGRANDO A SI MESMO

http://holosgaia.blogspot.com/2011/03/david-icke-conectando-os-pontos.html


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por conspiratio às 15:21


2 comentários

De Cultura Útil a 27.05.2011 às 07:07

fantastico o texto dos cegos. sou um deles.

De mAYfwFkkj a 28.11.2014 às 16:03

Lz9jK3 tdxhablltuns (http://tdxhablltuns.com/), [url=http://qyexpmbajina.com/]qyexpmbajina[/url], [link=http://hqazulrkxttc.com/]hqazulrkxttc[/link], http://yufygiioucee.com/

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2011

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

arquivos

2011